Da Fotografia ao Azulejo 2017-08-19T18:49:09+00:00

Project Description

Acontece em Lisboa
Da Fotografia ao Azulejo

Iluminada por uma luz quente e forte, Excalibur destaca-se na paisagem onde o cheiro a maresia é uma constante. Contornemos esta evocação aos grandes da expansão marítima e sigamos em linha recta pelo trilho do ciclista. Deparamo-nos com um par de vacas de cores ocres vibrantes e aspecto algo cénico que logo nos transportam a achados arqueológicos nos desertos africanos. Na verdade a apreciação não é de todo descabida pois pertencem ao Museu de Arte Popular que está vinculado ao Museu Nacional de Etnologia.

Dorsos com corações e nomes dos amados a branco marcam de forma visível e com força de quem quer no momento tornar eterno os momentos sabe-se lá com que promessas sussurradas, ferem a monocromia e nem mesmo as intempéries ou o desgaste provocado pelos caçadores de recordações de viagens conseguem esmorecer o que com tanto empenho foi riscado.

Descansemos agora um pouco olhando para o azul sempre enigmático do Tejo e depois continuemos para o que nos coube aqui em sorte destacar.

Perto da estrada mesmo em frente reconhecem aquele bloco quase maciço de pedra meia rósea, meia creme? É o CCB, mas não, não é preciso sequer por o pé no asfalto, o museu está mesmo ao nosso lado e tem à porta largos painéis a publicitar a exposição “Da Fotografia ao Azulejo” que se pode visitar no seu interior.

É para lá que vamos

Fechado parcialmente durante cinco anos, este espaço que nasceu da reformulação do antigo pavilhão da “Secção da Vida Popular” criado para a exposição do Mundo Português (1940) em pleno Estado Novo, tem na zona da recepção, mesmo a entrada, monumentais painéis que só por si já merecem uma visita.

Pago o bilhete entramos na primeira sala onde se veem fotografias e azulejos.

Interessa perceber o que é o azulejo mas vamos condensar um pouco a história para não fustigar o leitor com exaustiva descrição.

O azulejo já era conhecido no Antigo Egito e Mesopotâmia alastrando-se depois ao norte de África e à Europa Mediterrânica pelas mãos dos árabes, donde deriva o nome, cuja origem será “al Zulaco” (pequena pedra polida). Verdade seja dita sempre que ouvimos a palavra azulejo associamo-la a peça de cerâmica de pouca espessura, normalmente com uma das faces vidradas devido a cozedura de um esmalte que o torna impermeável e brilhante.

Versátil e de baixo custo não admira que a arquitectura dele se apoderasse para ornamentar paredes de palácios e de igrejas conferindo-lhes brilho e opulência.

Embora fossem as classes dirigentes as primeiras a demonstrar interesse, este vai despertar com o tempo a atenção da burguesia mais abastada que o utiliza nas suas quintas e palácios

E se no século XIX ganha mais visibilidade é em pleno século XX que se democratiza entrando na estética dos caminhos de ferro e do metropolitano.

Estamos portanto agora em condições de iniciar a nossa visita, pedindo desculpa por a introdução ter demorado mais do inicialmente estava previsto.

Fotos de estações de caminhos de ferro com paredes resplandecentes forradas a azulejos com cenas campestres e pré-industrias acolhem o visitante; nas vitrines destaca-se o material utilizado na pintura do desenho.

E são verdadeiros artistas os que utilizam este meio, pois as tonalidades e matizes tão importantes a definição do volume das paisagens só é desvendado após a cozedura.

Nas restantes salas, e lado a lado, as fotografias, revistas, postais e os azulejos que deles se serviram para inspiração.

A saída perto do jardim relvado tendo como irregularidades pequenos montículos, muitos, que mais parece uma paisagem de teletubbies, uma jovem senta-se, inspira, relaxa e movimenta o corpo em posições de Yoga. Aceitemos esta intervenção como uma ponte entre o mundo das fotografias e dos azulejos e o mundo que vamos enfrentar cá fora.

 

Museu de Arte Popular

de 15-12-2016 a 01-10-2017

Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo
Da Fotografia ao Azulejo